Crise epiléptica: o que fazer e como agir

A Organização Mundial da Saúde estima que, no mundo, aproximadamente 50 milhões de pessoas têm epilepsia, um distúrbio neurológico crônico que pode afetar pessoas de qualquer idade, embora tenda a aparecer acima dos 5 anos de idade. .

É uma desordem cerebral causada pela existência de um desequilíbrio na atividade elétrica dos neurônios de alguma área do cérebro. É, portanto, um ou vários distúrbios neurológicos que deixam no cérebro uma predisposição para sofrer crises recorrentes, que muitas vezes levam a consequências cognitivas, neurobiológicas e psicológicas.

Um de seus sintomas comuns é aquele conhecido ataque epiléptico, que consistem em episódios de alteração da atividade cerebral que produzem mudanças na atenção ou no comportamento da pessoa.

Por que a crise epiléptica?

O funcionamento elétrico normal do cérebro depende, em certo sentido, de um equilíbrio delicado entre a atividade dos diferentes neurônios excitatórios e os neurônios inibitórios. Então, se houver algum processo que modifique esse equilíbrio, uma descarga neuronal anormal pode ser gerada.

A verdade é que a maioria dessas descargas permanece localizada, sem expressão clínica. Mas se o download exceder aqueles conhecidos como circuitos locais de "segurança" (que ativamente impedem a propagação de descargas), e se espalha para um número crítico de neurônios aparece a crise clínica.

Quanto tempo dura a crise da epilepsia?

Geralmente é uma das perguntas mais comuns que uma pessoa faz quando está na frente de um membro da família ou amigo que sofre uma crise de epilepsia. Geralmente, uma crise epiléptica geralmente dura de 3 a 4 minutos. Após 5 minutos, alguns especialistas médicos consideram conveniente chamar uma ambulância.

Esses sintomas podem parar após alguns segundos ou minutos ou continuar por até 15 minutos.

Naturalmente, quando a duração da crise epiléptica é superior a 30 minutos, estamos em uma emergência neurológica, é essencial ir urgentemente ao hospital.

Como agir diante de uma crise epiléptica

É essencial manter sempre a calma. Na maioria dos casos, a crise epiléptica dura apenas alguns minutos e, em um grande número de casos, ela tende a diminuir espontaneamente.

Se recomenda observar com muita atenção as diferentes características dos movimentos convulsivos, quanto tempo duram e o que a pessoa faz quando inicia sua recuperação, depois de superar a crise epiléptica.

Desde que você pode ferir a pessoa, Não é aconselhável tentar parar a crise ou impedir movimentos convulsivos. Pelo contrário, se é aconselhável acomodar a pessoa com cuidado, colocando algum objeto macio sob sua cabeça e cuidadosamente colocando-o de lado, então você pode respirar melhor.

Também é essencial ficar com a pessoa até a crise acabar. É comum que depois da crise a pessoa esteja confusa; Fale com ele em um tom amigável e calmo.

Além das dicas indicadas acima, tenha também em mente as seguintes diretrizes básicas:

  • Afrouxe as roupas que podem impedir a pessoa de respirar livremente.
  • Remova objetos e móveis que possam ferir a pessoa quando ela estiver em convulsão.
  • Não tente administrar respiração artificial. Exceto quando o paciente não respirar novamente após a crise (circunstância muito improvável).
  • É possível que após o fim da crise a pessoa se sinta confusa. Evite determiná-lo e converse com ele de maneira calma e amigável, direcionando-o sem forçá-lo para longe de objetos perigosos.
  • Não coloque nada na boca da pessoa.

Quando pedir uma ambulância?

Embora as crises epilépticas não representem uma emergência médica na grande maioria dos casos, uma vez que geralmente duram um ou dois minutos e geralmente não causam danos, existem algumas razões que podem levar a uma ajuda urgente. São as seguintes:

  • Quando a crise dura mais de 5 minutos.
  • Dificuldade em respirar após a crise.
  • Recuperação lenta
  • Segunda apreensão
  • Gravidez
  • Qualquer sinal de doença ou lesão.
  • Existência de outros diagnósticos médicos.
Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Não pode e não deve substituir a consulta com um médico. Aconselhamo-lo a consultar o seu Trusted Doctor.

CRISES DE CONVULSÃO E COMO LIDAR (Dezembro 2019)