Medo de um novo aborto: dicas úteis para superar o medo

As estatísticas indicam que o aborto É muito mais frequente do que você pensa: um quarto das gravidezes terminam em aborto, sem necessariamente haver problemas de infertilidade no casal.

Até mesmo uma mulher pode sofrer dois ou mais abortos, e ainda assim ela tem uma boa chance de que suas próximas gestações sejam normais e cheguem a termo.

Na verdade, essas mesmas estatísticas indicam que 80% das mulheres que sofreram um aborto provavelmente terão uma gravidez normal na próxima gestação. Mesmo entre 60 a 70% das mulheres que tiveram abortos recorrentes (ou seja, três ou mais abortos) terão uma gravidez bem-sucedida em algum momento de suas vidas.

Mas quando a mulher passa por um aborto, a estatística serve pouco: ela se sente culpada pensando que poderia ter evitado, a tristeza pela perda é, na maioria dos casos, inevitável, e pode chegar o momento em que ela se sentir vazia.

Quando o tempo passa e o final do período de "descanso" indicado pelo ginecologista se aproxima, ou desde muito tempo antes, tanto a mulher como o homem (enfim, o casal) podem sentir medo de um novo aborto. Embora seja comum que esse medo ocorra antes mesmo de a mulher engravidar novamente, o mais normal é que se intensifique nas semanas de gestação quando ocorreu o aborto da gravidez anterior.

É nesses casos que devemos ignorar as estatísticas e tentar ser o mais positivo possível. E é que o estresse e ansiedade gerados pelo medo de um novo aborto não só podem causar a gravidez tardia em chegar, mas afetam negativamente o bom desenvolvimento da próxima gravidez.

Como enfrentar o medo de um novo aborto?

Lidar com um aborto é difícil, mas o medo de um novo aborto é maior quando uma nova gravidez ocorre e já passou por uma perda. No entanto, existem algumas orientações e dicas que podem ajudá-lo. São os seguintes:

Mantenha a calma

Embora possa ser difícil, é essencial manter a calma e não perder a coragem diante do medo que pode surgir do pensamento de que a nova gravidez pode terminar em um aborto. Ajudá-lo-á, por exemplo, a consultar todas as dúvidas que tiver com o seu ginecologista, para que possa enfrentar de forma muito mais positiva a nova gestação.

Fale, desfaça

Tanto no momento da nova gravidez e quando o aborto anterior ocorreu, é essencial que você fale não apenas com seu parceiro sobre seus sentimentos, seus sentimentos e pensamentos, mas também com sua família ou amigos próximos.

Obviamente, é um erro torná-lo um tópico repetitivo, porque pode se tornar uma obsessão.

Siga um estilo de vida saudável

Se você fuma e geralmente bebe álcool regularmente, tem um pouco de excesso de peso e não pratica exercício físico, é provavelmente o momento ideal para deixar o tabaco e o álcool, fazer alguma dieta e praticar esportes. Ajudará você de uma maneira positiva a se sentir melhor consigo mesma e a encarar a nova gravidez de uma maneira diferente.

Pratique alguma meditação ou relaxamento

Exercícios de relaxamento serão úteis para tentar deixar sua mente em branco, reduzir o estresse e eliminar todas as preocupações que você possa ter.

O exercício físico é sempre saudável e também desestressa

Obviamente, falamos de exercícios físicos adequados para mulheres grávidas; por exemplo: andar ou correr devagar. Caso seja uma gravidez de risco, você pode sempre perguntar ao seu ginecologista; a menos que tenha recomendado descanso, neste caso você pode optar por praticar relaxamento e meditação.

O que dizem as estatísticas sobre abortos espontâneos?

  • 80% das mulheres que tiveram um aborto podem ter uma gravidez bem sucedida na próxima vez.
  • Entre 60 a 70% das mulheres que tiveram abortos recorrentes terão uma gravidez bem sucedida na próxima vez. Eles terão uma taxa de aborto de 40% na próxima gravidez.
  • Mulheres entre 20 e 30 anos têm 12% de risco de aborto; entre 30 a 40 anos de 15%; mais de 40 anos, o risco aumenta para entre 25-50%.
  • As chances de aborto espontâneo entre 12 a 20 semanas é de apenas 3%.
  • As chances de morte fetal após 20 semanas caem para apenas 1%.
  • Depois de detectar o batimento cardíaco do embrião, o aborto espontâneo é inferior a 4%. Ou seja, se você ouvir os batimentos cardíacos do seu bebê no ultrassom entre 9 e 12 semanas, você terá poucas chances de aborto espontâneo.
Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Não pode e não deve substituir a consulta com um médico. Aconselhamo-lo a consultar o seu Trusted Doctor. TemasAborto

Família Canção Nova se mobiliza para fechar o ano sem dívidas - CN Notícias (Julho 2019)