Ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral: sinais de alerta e sintomas típicos

De acordo com dados estatísticos, mais de um milhão de pessoas sofrem um ataque cardíaco nos Estados Unidos da América, de uma população de 318 milhões de pessoas. Metade desse milhão morre e dentro desse grupo seu surto fatal se deve ao fato de não ter atenção imediata ou de não saber ou não ter história pregressa de sofrer desta doença.

Mas não vá tão longe. No nosso país, por exemplo, as doenças cardiovasculares tendem a causar 31% das mortes, metade dos casos (cerca de 16%) é causada por infarto do miocárdio.

Mas vale a pena esclarecer agora quais são as causas específicas que produzem um ataque cardíaco no órgão chamado coração. Ataques cardíacos ocorrem quando um coágulo na artéria bloqueia o suprimento de sangue e arritmias produtoras de oxigênio. Isso causa uma séria diminuição no bombeamento do coração que produz o infarto.

Como evitar esses ataques? Embora às vezes não possam ser prevenidos, é muito importante seguir um estilo de vida o mais saudável e saudável possível. Nesse sentido, pode ser prevenida controlando a pressão arterial, diminuindo o colesterol, exercitando-se, evitando o tabaco, reduzindo o açúcar no sangue, comendo de maneira saudável e perdendo peso.

Os sintomas mais comuns de ataque cardíaco a considerar

Os sintomas que devemos ter conhecimento e que podem ser sinais de um futuro ataque cardíaco são:

  • Desconforto no peito como pressão e dor: Embora seja considerado um dos sintomas mais típicos, a realidade é que nem todos os ataques cardíacos tendem a ser precedidos por dor no peito. Essa dor geralmente dura cerca de 15 minutos; isto é, geralmente é prolongada e é percebida principalmente como uma sensação de pressão intensa no tórax que se estende pelos braços e ombros (especialmente no lado esquerdo) e também nas costas. Geralmente não é continuado, mas prolongado.
  • Falta de ar e dificuldade para respirar: É medicamente conhecida como dispnéia e consiste basicamente em dificuldade para respirar, especialmente entre as mulheres. É possível que essa dificuldade comece antes mesmo do infarto ocorrer.
  • Náusea, vômito e vertigem: É comum que esses sintomas não estejam associados a um ataque cardíaco, mas a verdade é que eles tendem a estar relacionados.
  • Sudorese excessiva: Quando estamos prestes a sofrer um ataque cardíaco, a transpiração excessiva é um dos sintomas típicos, já que nosso coração faz um esforço maior para bombear o sangue através de artérias entupidas.

Os sintomas de um ataque cardíaco podem variar se forem homens ou mulheres.

Entre as mulheres, há alguns casos que não apresentam sintomas prévios, mesmo quando sofrem da doença. Esses casos são chamados de doença coronariana assintomática. Algumas outras mulheres apresentam sintomas e, nesses casos, podem estar, por exemplo, em caso de doença coronariana: angina (dor ou desconforto no peito), dor no pescoço, mandíbula ou parte superior do abdômen.

No caso de apresentar sintomas de arritmia, o sinal mais comum é sentir palpitações no coração. Em caso de insuficiência cardíaca, os sintomas mais comuns são falta de ar, inchaço nos pés, tornozelos, pernas e abdômen.

Enquanto em caso de apresentar um ataque cardíaco os sinais mais comuns são dor no peito, costas, indigestão, azia e assim por diante.

Outro fator de risco para a produção de infarto cardíaco é a apnéia do sono. Mas o que é apneia? Quando dormimos, tomamos respiração irregular, o que faz com que o consumo de oxigênio diminua por curtos períodos. Essa causa pode envolver e triplicar o risco de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC).

Estudos recentes descobriram que tomar estatinas reduz o risco desta doença cardíaca, uma droga freqüentemente usada para reduzir o colesterol. A estatina é segura para a maioria das pessoas, exceto no caso de mulheres grávidas e pessoas que sofrem de doenças do fígado.

Outros estudos recentes indicam que as pessoas que vivem nos andares mais altos de arranha-céus têm menor probabilidade de sobreviver a um ataque cardíaco do que aqueles que vivem em outros tipos de propriedades.

Quem mora no terceiro andar tem chances reduzidas de sobrevivência e quem mora em um andar superior a 16 tem chances remotas. A razão é simples: eles levam mais tempo para chegar ao andar térreo.

De acordo com os dados de um estudo de uma revista especializada do Canadá, seus resultados foram que mais de 6.000 pessoas que viviam no primeiro ou segundo andar só poderiam sobreviver a 4.2. Apenas 2,5% das pessoas que vivem acima do terceiro andar sobreviveram a um ataque. E no décimo sexto andar, apenas 1% sobreviveu ao desemprego.

Como esses números poderiam ser melhorados? Alcançar sem dúvida o acesso mais rápido a arranha-céus e ter um grande número de desfibriladores externos automáticos. Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Não pode e não deve substituir a consulta com um médico. Aconselhamo-lo a consultar o seu Trusted Doctor. TemasDoenças cardiovasculares

Frio provoca aumento nos casos de AVC e infarto (Pode 2019)