Como saber se você sofre de TOC: os sintomas de ser obsessivo compulsivo

Nesta oportunidade nos dedicaremos a conhecer mais sobre o TOC, geralmente referido como TOC, de acordo com suas iniciais. De fato, é possível que muitos reconheçam na descrição dos sintomas do TOC algo que nós ou alguém que conhecemos já fez.

No entanto, não devemos ter nenhum comportamento como um transtorno obsessivo-compulsivo, mas existem algumas orientações que podem nos ajudar a entender melhor quando podemos estar na presença de um caso de TOC.

O que é transtorno obsessivo-compulsivo?

Pessoas que têm TOC experimentam certos pensamentos que são constantemente repetidose o que eles geram na pessoa altos níveis de ansiedade e ansiedade. Esses pensamentos são referidos na psicologia como "obsessões".

Em resposta a esses pensamentos, aqueles que sofrem de TOC desenvolver certos comportamentos ou rotinas que podem se tornar verdadeiros rituais que eles simplesmente não podem evitar fazer, ou poderíamos dizer, sobre aqueles que não têm controle real. Essas ações são chamadas de "compulsões". Portanto, esse distúrbio é chamado de "compulsivo obsessivo".

Alguns sintomas do TOC

O transtorno obsessivo-compulsivo, como explicamos, pode ocorrer de maneiras muito diferentes em cada pessoa. Vamos rever aqui alguns casos mais emblemáticos.

1. Obsessão por simetria ou precisão

Um dos casos mais difundidos é aquele que envolve obsessão com simetria ou precisão. Por exemplo, podemos observar que antes de um objeto parecer desalinhado ou distorcido, surge a necessidade de acomodá-lo. Isso pode parecer um pouco menor, e é muito lógico que preferimos ver algo ordenado para vê-lo desalinhado.

Mas quem sofre essa obsessão não pode controlá-lo e pode sofrer muita ansiedade para ver algo desalinhado que não pode consertar. Isso porque ele associa essa situação a um acontecimento trágico, e a compulsão para consertar isso seria o pensamento de como evitá-lo.

2. Acúmulo de objetos

Outra forma que os transtornos obsessivo-compulsivos podem apresentar é a acúmulo de objetos. Isso pode atingir níveis realmente severos, já que as pessoas não conseguem se livrar de nada, mesmo de objetos sem uso, que o resto das pessoas consideraria lixo.

De acordo com os especialistas, explicar isso pode ser devido à instalação do pensamento de que você pode "ofender" este objeto ou que, ao se livrar dele, eles perdem uma parte de si mesmos. É comum que aqueles que sofrem de um distúrbio de acumulação obsessivo-compulsivo constantemente forneçam justificativas de qualquer tipo para justificar sua recusa em se separar desse objeto.

3. Obsessão com limpeza

A obsessão com a limpeza e o medo da contaminação fazem parte de outra variante do TOC. Como no resto dos casos, não devemos confundir um cuidado razoável do banheiro com uma obsessão. Quando chega a esse ponto, a pessoa pode gastar muito do seu tempo, energia e dinheiro na limpeza da casa, tornando essa rotina uma atividade que não pode ser ignorada ou adiada.

Essas pessoas podem exigir que seus familiares tirem suas roupas e tomem banho quando chegam em casa, para evitar a entrada de contaminantes. Eles também podem ter uma rotina de cuidados pessoais muito rigorosa e podem até mesmo repetir todo o procedimento se eles acham que pularam um passo. Também é comum a lavagem constante e compulsiva das mãos.

4. Obsessão de rever tudo

Finalmente vamos falar sobre aqueles que têm uma obsessão para "verificar". Isso acontece, por exemplo, ao sair de casa, quando sentem a necessidade de verificar aparelhos elétricos, torneiras, válvulas de gás, queimadores, janelas, etc.

Em um transtorno compulsivo a pessoa pode repetir o cheque várias vezes, porém não consegue acalmar sua preocupação, retornando aos minutos ou mesmo não saindo de casa por medo de que algo grave aconteça, impedindo o desenvolvimento normal da vida cotidiana.

Se você acha que essas descrições podem se assemelhar ao que você normalmente sente, deve saber que, com tratamentos psicológicos, essas obsessões e compulsões podem ser tratadas gradualmente. O que é tratado com esses tratamentos é que o paciente pode reduzir esses pensamentos e aprender a administrá-los para que sua vida diária possa melhorar. Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Não pode nem deve substituir a consulta com um psicólogo. Aconselhamos que consulte o seu psicólogo de confiança.

Transtorno Obsessivo Compulsivo (Pode 2019)