Síndrome do pequeno ditador: como é e o que fazer

O pequeno chegou em casa, nós o enchemos de amor e, como costumamos dizer, fazemos dele o Rei dele. Nós a enchemos de presentes, evitamos que nos sentimos desconfortáveis, estragamos e sem querer dar todos os caprichos.

Em princípio, algo que consideramos positivo pode transformar nosso filho ao longo do tempo em um pequeno ditador. Pelo ditador nós entendemos aquela pessoa que abusa de sua autoridade e / ou trata os outros duramente.

O ditador nasce ou é feito?

É verdade que as crianças, desde que estão nos últimos estágios da gravidez e no início de seus primeiros dias, trazem consigo parte da carga genética que formará seu caráter. Mas a genética definitivamente não faz nem converte nosso filho em um ditador.

A partir dos 6 anos de idade até a adolescência, essa síndrome pode começar a aparecer e, mais tarde, tornar-se uma característica de personalidade pronunciada na vida adulta. Obviamente, quanto maior o nosso ditador, mais difícil será mitigá-lo e educá-lo com diretrizes adequadas.

Síndrome do Ditador Pequeno

Podemos falar sobre o nosso filho se tornar um pequeno ditador quando os papéis em casa mudaram. É a criança que comanda e os pais que obedecem. A criança que explode de raiva e os pais que se escondem.

As crianças exigem e os pais se rendem. Aparecendo em muitos casos episódios violentos tanto verbais como físicos para alcançar os objetivos.

Detectando o ditador: como é geralmente

Hoje, com horários apertados e calendários sem espaços, muitos pais são obrigados a deixar seus filhos na creche ou com um membro da família. Nos últimos anos, o sentimento de culpa dos pais aumentou e, como tal, "compensações".

"Desde hoje eu não vi a criança o dia todo, vou dar-lhe um brinquedo", "vou deixá-lo ir para a cama mais tarde", "não importa se ele não atende", "ele fica bravo comigo porque eu não estive com ele", "Eu vou recompensá-lo" ... Desta forma a criança não é compensada, desta forma ele está criando uma pessoa pequena que faz e diz o que ele quer ser sempre justificado e sem consequências.

Aqui estão algumas características pessoais que podem nos ajudar a reconhecer se estamos criando um pequeno ditador em casa:

  • É hedonista: Procure sempre atividades que lhe confortem e lhe dêem prazer sem levar em conta outras situações.
  • É egocêntrico: Seu centro de pensamento é ele. Não percebe os outros nem se coloca em seu lugar.
  • Tem uma baixa tolerância à frustração: assim que uma situação fica fora de alcance ou as coisas não são feitas à sua maneira, elas são enganadas, gritadas, chutadas etc.
  • Eles têm comportamentos de manipulação: Eles são capazes de manipular as pessoas ao seu redor, usando tristeza, culpa ou mentindo a seu favor.
  • Eles não têm senso de responsabilidade ou isso é muito baixo: as tarefas têm que ser feitas para ele e ele não precisa explicar nada a ninguém. Desde que se acostumarem a ser constantemente justificados.

Eu acho que meu filho é um pequeno ditador, o que devo fazer?

Primeiro você tem que reconhecer isso. Você e sua família. Este fato é complicado porque tendemos a pensar que não sabemos educar, que somos negligentes e que estamos sofrendo quando acreditamos que estamos favorecendo. Ninguém nasce sabendo e educar é aprendido pela educação.

Depois que o problema for reconhecido, execute uma ação. O mais importante é estabelecer uma linha educacional coerente em relação às pessoas mais próximas a você que estão cuidando da educação do seu filho. Ou seja, a família deve estabelecer as mesmas diretrizes, punições, limites e prêmios para o comportamento da criança.

Seja claro sobre limites e não baixe a guarda. Ele tem que entender que as fronteiras te atraem. Não justifique os comportamentos e trabalhe-os através de rotinas, rotinas e mais rotinas.

Lute os confrontos e desafios de seu filho com amor e compreensão, mas sem comprometer seus limites. Não grite com ele, faça-o entender como estão as coisas. Reaja com calma e respeite-se simplesmente deixando que seu filho tome terras que não lhe pertencem. Não entre em discussões, apenas lembre-se das regras e repita-as. Seja forte e lembre-se de que a educação é uma corrida de longa distância e não um milagre.

Tente ensinar empatia e seja sempre um exemplo para ele. Trabalhe a responsabilidade, a conscientização e o impacto de suas ações com os outros.

Você não está sozinho, entre em contato com a escola, eles saberão como orientá-lo ou encaminhá-lo para um especialista caso esta síndrome esteja no auge. Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Você não pode e não deve substituir a consulta com um pediatra. Aconselhamo-lo a consultar o seu pediatra de confiança.

O que é Síndrome do Imperador? - Todo Seu (26/02/18) (Fevereiro 2019)