Sintrom: o que é, indicações, como tomar e efeitos colaterais

Se você já visitou um centro de saúde em sua Comunidade Autônoma, seja porque estava doente ou porque simplesmente queria marcar uma consulta para realizar um exame de sangue de rotina, é bem provável que em algum momento você tenha encontrado um cartaz informativo sobre da importância do controle dos pacientes que devem tomar Sintrom. E é que, apesar de nos depararmos com uma droga tão popular quanto comum, sua administração deve sempre ser controlada.

Ainda que popularmente é mais conhecido com o nome de Sintrom, a verdade é que originalmente estamos diante de um droga anticoagulante ou medicação cujo nome comercial é Acenocumarol. De fato, no mercado farmacêutico também existem outras drogas anticoagulantes orais, como o aldocumar ou a varfarina, embora muitos pacientes a concebam apenas sob o nome de Sintrom.

Não em vão, estima-se que em nosso país, cerca de 450.000 testes do Sintrom sejam realizados a cada ano, com o objetivo de verificar o fator de coagulação do INR. Enquanto em outros países a droga mais comumente usada ou popular é a varfarina. O motivo é claro: Sintrom não pode ser administrado em dose fixa, sendo necessário realizar análises com freqüência para saber como é anticoagulado o sangue do paciente.

O que é o Sintrom?

Sob o nome de Sintrom somos confrontados com um medicação anticoagulantecujo objetivo médico é o de manter a coagulação sanguínea de maneira controlada, mas com menor intensidade de coagulação.

Explicado de maneira mais simples, podemos dizer que é uma droga que o que se consegue é que o sangue fica mais líquido, atingindo uma proteção mais eficaz contra embolia ou trombose, com menor risco de hemorragia.

Devemos ter em mente que os coágulos sanguíneos são formados por uma proteína conhecida como fibrina e também pelas plaquetas. No caso de anticoagulantes como o Sintrom, o que é conseguido é inibir a formação de fibrina, impedindo assim a formação de coágulo sanguíneo.

Principais indicações do Sintrom

O Sintrom é usado principalmente em pacientes com fibrilação atrial, uma vez que, como consequência da arritmia, existe a possibilidade de formação de coágulos no interior do coração.

Também é usado contra a formação de trombose venosa profunda (trombos nas veias das pernas), com o objetivo de tentar dissolvê-los, impedindo, por sua vez, que eles se soltem e viajem para os pulmões, com o risco de uma embolia pulmonar. (ou infarto pulmonar).

Seu uso também é necessário em pacientes com próteses valvares metálicas, pois seu consumo impede a formação de coágulos sanguíneos na prótese.

Levando em conta todos os indicados, O Sintrom é utilizado principalmente nos doentes que apresentam um risco elevado de embolia ou trombose, especialmente no caso de arritmias cardíacas.

Podemos estabelecer na seguinte seção as principais indicações médicas para a administração do Sintrom:

  • Infarto agudo do miocardio.
  • Tromboembolismo venoso.
  • Colocação de uma prótese valvular cardíaca.
  • Fibrilhação auricular.
  • Acidente isquêmico transitório.
  • Trombofilia hereditária.
  • Valvopatias.
  • Cardiomiopatia dilatada.

Como tomar Sintrom

Como indicado no início desta nota, este anticoagulante não é administrado em uma dose fixa, por isso é tão preciso quanto necessário para realizar exames de sangue com freqüência, para que o médico possa descobrir como anticoagula o sangue do paciente. Tome o Sintrom.

Este controle é realizado por meio de um parâmetro na analítica conhecida com o nome de INR. Dessa forma, se a dose for insuficiente, o sangue terá um INR baixo (coagulação normal), sendo necessário aumentar a dose, pois, na verdade, seria como se o paciente não estivesse tomando o medicamento. No entanto, se o INR for alto, a dose será excessiva e o sangue será altamente anticoagulado, com o risco óbvio de hemorragia.

É muito importante que, quando um doente toma Sintrom, ele informe ao médico o resto da medicação que está a receber., dado que o controlo deste fármaco anticoagulante pode ser afectado por uma grande variedade de fármacos, incluindo pelo consumo de bebidas alcoólicas, produtos naturais à base de plantas ou o próprio alimento.

O Sintrom é tomado diariamente e, durante o tratamento, o médico administrará ao doente uma folha com as doses diárias da medicação, indicando o dia e a dose apropriada para esse dia. Depois, há um dia de controle, em que o paciente deve ir ao seu centro médico para realizar o acompanhamento médico.

Os efeitos colaterais do Sintrom

O principal efeito colateral do uso de Sintrom é o aparecimento de hemorragias, que em alguns casos pode se tornar grave.

Os mais frequentes são os pequenas hemorragias, que por exemplo aparecem na urina, gengivas ou nariz. Também é possível que as fezes fiquem pretas, o que pode ser uma indicação da presença de sangue.

Em caso de qualquer sintoma mínimo, é necessário ir ao centro médico e informar o especialista, desde que não sejam efeitos colaterais graves, para os quais é muito importante ir rapidamente ao pronto-socorro. Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Não pode e não deve substituir a consulta com um médico. Aconselhamo-lo a consultar o seu Trusted Doctor.

"Usei anticoagulante por mais de um ano", diz analista de RH que sofreu trombose l SEMPRE FELIZ (Julho 2019)