Ensinando o perigo: o que fazer quando o bebê começa a andar

Nosso bebê cresce. Ele começa a sair do berço e do carro que era tão confortável para controlá-lo e decide começar a andar e viajar pelo mundo sem limites. Até recentemente, foi o suficiente para colocar o berço longe de elementos perigosos e cuidar do carrinho enquanto brincava com ele, mas ... acontece que agora! meu ambiente é um perigo em potencial!

Cantos, escadas, fogos, facas, irmãos mais velhos, tapetes, etc. De repente, percebemos que tudo o que vemos pode se tornar um acidente. Então começamos a colocar postes de canto, barreiras e fechaduras em toda a casa, acrescentando que não perderíamos nosso filho nem meio segundo de visão.

Esta é uma situação nova e é normal que a princípio se torne uma pequena obsessão, mas podemos protegê-la de tudo? E se o levarmos para as casas dos amigos? E no parque?

Dicas úteis que ajudarão você em casa quando seu bebê começar a dar seus primeiros passos

A necessidade de ensinar perigo

No mundo real, que é onde estamos criando nossos filhos e não podemos esquecer, há perigos que nos escapam e são impossíveis de prever. Desta forma, assim como ensinamos nosso filho a comer sozinho ou ir ao banheiro de maneira autônoma, devemos ensiná-lo o que é perigoso.

No início de sua experimentação do ambiente, a criança não tem paradas, tudo pode ser tocado, sugado ou jogado. Nosso dever é ensinar-lhe que NÃO É POSSÍVEL TUDO. Precisamos fazê-lo entender que existem coisas que podem machucá-lo e que não são apropriadas. Desta forma, com determinação e dedicação, você não será aquele que empurra seu filho para longe dos perigos potenciais, mas ele será o único a evitá-lo com segurança.

Adaptando a casa

Ensinar perigo não significa não prevenir acidentes. Por exemplo, se houver uma escada em casa, nos primeiros momentos em que a criança ainda não tem o adequado desenvolvimento psicomotor para enfrentá-los, devemos colocar uma barreira.

Mas, apesar da barreira estar definida, devemos explicar à criança através de sinais e palavras por que a cerca. No momento em que a criança é capaz de subir e descer escadas, essa cerca será inútil e teremos que ensiná-lo a sair com segurança ou explicar que sem um adulto ele não terá que descer. Precisamos responsabilizá-lo por suas ações.

Este exemplo pode ser traduzido em objetos como vasos ou gavetas. O que não devemos fazer é que, no início de sua exploração, de repente e magicamente, todos os objetos que estavam em casa não estejam mais ao alcance e que tudo ao redor seja proibido ou tenha travas de segurança.

Em outras palavras, não podemos transformar nossa sala em um berço gigante. Devemos mostrar os objetos que estão lá e com base na paciência e repetição explicar aqueles que são adequados e aqueles que não são..

Meu filho vai direto para os perigos, o que eu faço?

As crianças não estão conscientes do perigo, como dissemos antes, e se você olhar um pouco mais, provavelmente a frequência de se aproximar dos perigos é menor do que a ansiedade que nos causa.

É importante ser persistente, repetir sem ficar com raiva e raciocinar ao seu nível. É normal que nos primeiros meses de experimentação as palavras NÃO tomem a nossa boca, é por isso que é necessário procurar uma alternativa de exploração.

Explorar não é perigoso

Lembre-se de que a criança está explorando e vamos nos colocar em seu lugar por um momento. Tudo o que você está abordando é um NÃO, tudo que você quer ver de perto é um NÃO e tudo que você quer tocar é um NÃO ainda maior, se possível. Desta forma, é impossível investigar e aprender. Nosso dever é dar uma alternativa.

Por exemplo, em casa, temos uma cômoda com quatro gavetas. Nós não queremos que a criança abra 3 deles, então ensinamos a ele que essas 3 caixas não devem ser abertas, mas que a quarta gaveta PODE ser e também lá ele pode guardar suas coisas.

Em primeiro lugar, mostramos a você o que está nas 3 gavetas que você não tem acesso porque são da mãe e do pai (os segredos produzem curiosidade e o proibido é mais atraente). Desta forma, ele já saberá o que está lá e quando perceber que eles não são interessantes e adicionando a regra explicada e repetida acabará por não abri-los.

Mas não abrir essas 3 gavetas não envolverá a frustração de não saber o que é uma gaveta, como ela é aberta ou para que serve e suas necessidades de exploração serão satisfeitas.

Assim, se ensinarmos o que é perigoso em vez de proibir o que consideramos perigoso, quando a criança visitar outros lugares com outros padrões, ele os aceitará e evitará o que lhe ensinaram ser perigoso (acessar a cozinha, brincar com os plugues, abrindo gavetas sem permissão, etc.), o que nos proporcionará mais tranquilidade e reduzirá as chances de ocorrência de acidentes. Este artigo é publicado apenas para fins informativos.Você não pode e não deve substituir a consulta com um pediatra. Aconselhamo-lo a consultar o seu pediatra de confiança.

Pediatra de Plantão: Existe idade certa para o bebê sentar, engatinhar e andar? (Fevereiro 2019)