Nós subscrevemos o manifesto em defesa dos direitos dos cidadãos na internet

Embora seja verdade que este artigo não tem muito a ver com o tema geral que expomos todos os dias na NatureVia, consideramos que, como usuários da Internet, não podemos desviar o olhar de um problema que afeta praticamente todos os usuários.

O projeto da Lei de Economia Sustentável surpreendeu a todos nós, especialmente aqueles que diariamente trabalham na Internet, dedicando horas para construir uma rede de qualidade, na qual todos nós podemos participar, escrever e publicar livremente nossas opiniões.

Mas algumas das mudanças que em rondón foram introduzidas no projeto de lei com o objetivo de que a mídia não descobriu tais seções, é algo que causou a comoção de alguns dos meios mais importantes.

Por tudo isso, Naturvida quer se juntar ao Manifesto "Em defesa dos direitos fundamentais na internet"

  (Imagem: Eneko / 20minutos.es)

Manifesto "Em defesa dos direitos fundamentais na Internet"

Dada a inclusão no Projeto de Lei de Economia Sustentável de emendas legislativas que afetam o livre exercício da liberdade de expressão, informação e o direito de acesso à cultura através da Internet, jornalistas, blogueiros, usuários, profissionais e criadores da Internet, expressamos firme oposição ao projeto e declaramos que:

1) Os direitos autorais não podem ser colocados acima dos direitos fundamentais dos cidadãos, como o direito à privacidade, segurança, presunção de inocência, proteção judicial efetiva e liberdade de expressão.

2) A suspensão dos direitos fundamentais é e deve continuar a ser da competência exclusiva do poder judiciário.. Não é um fechamento sem uma sentença. Este projeto de lei, ao contrário do que está estabelecido no artigo 20.5 da Constituição, coloca nas mãos de um órgão não-judicial - um órgão do Ministério da Cultura - o poder de impedir que cidadãos espanhóis acessem qualquer página da web.

3) A nova legislação criará incerteza jurídica em todo o setor tecnológico espanhol, prejudicando um dos poucos campos de desenvolvimento e futuro de nossa economia, dificultando a criação de empresas, introduzindo obstáculos à livre concorrência e retardando sua projeção internacional.

4) Nova legislação proposta ameaça novos criadores e dificulta a criação cultural. Com a Internet e os sucessivos avanços tecnológicos, a criação e a emissão de conteúdos de todos os tipos foram democratizadas extraordinariamente, o que já não vem predominantemente das indústrias culturais tradicionais, mas de uma multiplicidade de fontes diferentes.

5) Os autorescomo todos os trabalhadores eles têm o direito de viver de seu trabalho com novas idéias criativas, modelos de negócios e atividades associados às suas criações. Tentar sustentar mudanças legislativas em uma indústria obsoleta que não sabe como se adaptar a esse novo ambiente não é justo nem realista. Se o seu modelo de negócio foi baseado no controle de cópias das obras e na Internet não é possível sem violar os direitos fundamentais, deve-se buscar outro modelo.

6) Consideramos que as indústrias culturais precisam sobreviver a alternativas modernas, eficazes, confiáveis ​​e acessíveis que se adaptem a novos usos sociais, em vez de limitações tão desproporcionais quanto ineficazes para o propósito que afirmam perseguir.

7) Internet deve operar livremente e sem interferência política patrocinado por setores que buscam perpetuar modelos de negócios obsoletos e impossibilitam que o conhecimento humano permaneça livre.

8 ) Exigimos que o governo garanta por lei a neutralidade da rede na Espanha, antes de qualquer pressão que possa ocorrer, como um quadro para o desenvolvimento de uma economia sustentável e realista para o futuro.

9) Propomos uma reforma real da lei de propriedade intelectual orientada para o seu propósito: devolver o conhecimento à sociedade, promover o domínio público e limitar os abusos das entidades gestoras.

10) Na democracia, as leis e suas modificações devem ser aprovadas após o debate público apropriado. e ter consultado previamente todas as partes envolvidas. Não é aceitável que mudanças legislativas que afetam os direitos fundamentais sejam feitas em uma lei não orgânica que lida com outro assunto.

Mais informações | Enrique Dans / 20 minutos

70ª Sessão Ordinária | 31.10.17 (Pode 2019)