Hepatite auto-imune: quando o sistema imunológico ataca o fígado

O hepatite auto-imune é uma doença relacionada ao fígado, que tende a ocorrer quando há distúrbios do sistema imunológico e faz com que ele ative o ataque contra as células do fígado. É por isso que esse órgão é alcançado descompensar, pois o próprio corpo está atacando as células necessárias para que o fígado seja saudável e funcione corretamente.

É possível que esta doença não seja evidente no primeiro exame médico, por isso é comum que possa ser confundida com o cirrose ou com outros tipos de hepatite, como por exemplo ocorre com hepatite crônica ou hepatite aguda, geralmente porque é comum apresentar sintomas semelhantes aos que surgem com qualquer uma dessas três condições.

Anteriormente, a hepatite auto-imune era conhecida como Lupóideporque tem sintomas semelhantes aos lúpus eritematoso sistêmico, por anticorpos antinucleares que estão na doença. Então, foi renomeado hepatite auto-imune, pois não tinha relação com o lúpus.

Esta doença é rara. No entanto, devemos estar cientes das causas e sintomas para evitar complicações e tornar-se crônicos.

O que é hepatite auto-imune?

Basicamente A hepatite auto-imune é uma doença do fígado em que o sistema imunológico ataca e destrói as células do fígado. Isso significa que os mecanismos naturais e normais de defesa do nosso organismo são aqueles que reagem negativamente contra as diferentes células do fígado, atacando-os e destruindo-os.

Tem a particularidade de ser uma hepatite que não pode ser prevenida, e que tende a se tornar crônica apesar de seus sintomas melhorarem com a prescrição e administração de drogas imunossupressoras.

Quais são suas causas? Por que isso ocorre

Ainda não há causas que são evidentes nesta doença, por isso, é dito que não pode ser impedido de acontecer.

Um deles poderia ser genética, pois em muitos casos a doença ocorreu em parentes de pessoas que têm uma condição autoimune. Outra possibilidade é estar exposto em ambientes tóxicos, o que poderia agravar a doença. A verdade é que nada é provado e devemos estar conscientes da saúde do nosso fígado.

A hepatite auto-imune é na verdade rara, afetando principalmente meninas e mulheres jovens, embora possa ocorrer em qualquer idade e também em homens.

A hepatite auto-imune é mais comum em meninas e mulheres jovens. Tem uma condição em 70% dos casos no sexo feminino, não há idade exata a qual possa acontecer, porém é mais provável que apareça na adolescência ou na entrada da idade adulta.

Se esta doença for descoberta quando já estiver em seu estágio crônico, ela pode ser tratada e estabilizada, mas pode durar anos ou mesmo uma vida inteira. Assim, devemos estar muito conscientes dos sintomas para controlar a hepatite auto-imune a tempo.

Sintomas de hepatite auto-imune

Quando esses sintomas estão presentes, é muito possível que você esteja sofrendo de hepatite auto-imune. Os sintomas são:

  • Fadiga e fadiga.
  • Desconforto abdominal
  • Mal estar, incomodo geral.
  • Icterícia
  • Hepatomegalia
  • Aranhas vasculares na pele.
  • Dores articulares
  • Comichão

Em casos irregulares, há pacientes que não apresentam nenhum sintoma, e apenas evidenciados nos exames de sangue são um alto nível do transaminases.

Se tiverem cirrose hepática, podem apresentar sintomas como líquido na cavidade abdominal ou ascite; e confusão mental ou encefalopatia hepática.

Como isso é tratado?

A doença tem a possibilidade de controlá-lo com medicação. No entanto, em uma porcentagem muito pequena, uma cura completa é apresentada. Com o tratamento é possível controlar os testes de função hepática, embora a longo prazo a doença reaparece ao sair dos medicamentos, é comum controlá-la e mantê-la no mínimo graças a uma dose baixa do tratamento previamente aplicado.

O tratamento baseia-se na aplicação de medicamentos imunossupressores ( prednisona) em combinação com azatioprina, dependendo do caso. O positivo é que o tratamento é totalmente funcional, otimiza e prolonga a sobrevida da maioria dos pacientes.

O tratamento é aplicado por algumas semanas e depois reduzido pouco a pouco, para manter sob controle os ataques contra o fígado. Se o tratamento for repentinamente suspenso, é normal que haja recaídas, embora desta vez sejam mais fáceis de controlar.

A dose deve ser reduzida e, se a prednisona for aplicada por um longo período, podem ocorrer: diabetes, perda de massa óssea, catarata, pressão alta.

Como cada doença e cada paciente são diferentes, nem todos aceitam prednisona da mesma maneira, eles também podem tentar budesonida, ciclosporina, tacrolimus e miofelonato.

Quando o tratamento adequado é recebido, é provável que o paciente melhore acentuadamente. Caso contrário, como em um cirrose hepática, eles podem não aceitar o tratamento da mesma maneira e se esse é o diagnóstico, então um transplante de fígado deve ser considerado.

Não é possível se automedicar ou se autodiagnosticar, é necessário fazer exames laboratoriais e ressonâncias magnéticas aprovados pelo médico, para que se verifique a presença da doença, e que não seja outra que apresente os mesmos sintomas. Este artigo é publicado apenas para fins informativos. Não pode e não deve substituir a consulta com um médico. Aconselhamo-lo a consultar o seu Trusted Doctor. TemasDoenças do fígado

O que é Cirrose autoimune - Por Prof. Dr. Luiz Carneiro 31/08/2017 (Setembro 2019)